Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Loja
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Magia Cerimonial 23 Livros Essenciais sobre Magia Renascer da Magia, as Bases Metafísicas da Magia Sexual

Renascer da Magia, as Bases Metafísicas da Magia Sexual


23 livros essenciais para a Magia

GRANT SEX BABYKenneth Grant, 1972

Kenneth Grant é o resultado vivo da mudança trazida ao mundo por Austin Osman Spare. Quando Spare começou a desenvolver seu trabalho mágico, tinha em mente, ou não, criar um sistema prático livre do teatro e do barroquismo inútil que a magia cerimonial clássica e contemporânea traziam para uma arte que deveria, antes de mais nada, ser direta e buscar apenas um objetivo: resultados. Muitos magos viram a trilha seguida por Spare e a transformaram em uma via mágica pavimenta com trabalho, rituais e registros. A Magia do Caos se tornou uma escola sólida com suas próprias celebridades e mestres. Mas Spare fez algo que não imaginava ser possível, ou talvez tenha sido este seu objetivo desde o início: influenciar e contaminar com o vírus dinâmico do Caos as escolas existentes de Magia, e uma das primeiras vítimas desta moléstia foi Grant.

Kenneth Grant é um dos expoentes da magia atual, nascido em 1924 e ainda atuante (2009), foi pupilo e secretário de Crowley por longa data e reconhecido pelo próprio Spare como um dos mais sérios ocultistas de sua geração. Após a exposição à filosofia do Caos Grant começou a mesclar os princípios da Magia do Caos com as bases da Thêlema de Crowley, saindo da ritualística hermética e adicionando à panela ingredientes modernos e uma boa dose de cultura pop.

O Renascer da Magia é seu primeiro livro e possivelmente um de seus trabalhos mais lúcidos e completos. Trata-se da porta de entrada para o que posteriormente ficou conhecido como a Trilogia Tifoniana. Assim a presença deste tomo nesta lista é um convite e uma obrigação para que o estudante empenhado conheça as outras duas obras: Aleister Crowley and the Hidden God e Cults of the Shadow, ainda sem tradução para o português

Esta definitivamente não é uma obra para iniciantes. O autor vai muito além do que se espera para uma obra com a palavra "Bases" no título.  Ao invés de simplesmente compilar o conhecimento e as práticas mágicas de sua geração ele nos oferece a sua visão das verdades místicas e teosóficas do ponto de vista do caminho da mão esquerda, e por isso mesmo sua obra não tem ainda hoje nenhum paralelo com o qual comparar.

Além disso, nenhum compêndio de magia que queira se passar por sério pode deixar de fora um de seus mais controversos, se não prazerosos, aspectos: o sexual. Muitos autores tratam o sexo como parte de rituais, desde a masturbação até rituais para se conseguir sexo, mas a magia sexual vai muito além disso, transformando o próprio corpo do praticante em um circuito mágico, movido à energia sexual e do orgasmo. Como ele mesmo deixa claro nesta obra:

" A exaltação mental gerada por um orgasmo magicamente controlado forma um portal de passagem reluzente semelhante a uma lente por onde flui o vívido imaginário astral da mente subconsciente. Imagens específicas são evocadas e "fixadas"; elas se tornam instantânea e vivamente vivas. Como a presença luminosa delas é obsessiva, salvaguardas mágicas são essenciais para compensar uma real obsessão. Esta imagens são elos dinâmicos com os centros mais profundos da consciência e atuam como chaves para experiência ou revelações que formam o objetivo da Operação. Encarnar tais experiências é o objetivo da magia sexual."

No quesito Magia Cerimonial Grant é igualmente interessante, senão indispensável.

O livro é herdeiro da tradição Thêlema e claro estandarte do Aeon Horusiano. A filosofia de Aleister Crowley e da OTO é discutida nos dois primeiros capítulos de maneira muito mais esclarecedora do que em muitos livros de outros autores. O prato principal da obra é no entanto a abordagem de Kenneth a alguns segmentos não muito explorados do pensamento de Crowley e da Thêlema em si, em especial sobre a relação de entidades sobre-humanas com a A .'. A.'. e sobre as afinidades do Livro da Lei com a concepção da OTO de magia sexual e tantrismo. Além disso a maneira com que traça paralelos entre a literatura Lovecraftiana e aspectos da magia clássica deixa claro que o mago não deve se concentrar apenas na mitologia tradicional e aceita, imortalizada pela religião, mas que a criatividade de algumas pessoas, como o próprio Lovecraft, são portais para um mundo que é vislumbrado em sua totalidade apenas por poucos iniciados, criando assim uma ponte prática entre a pessoa comum e aquelas que dedicaram anos e anos a estudos e práticas.

Mais do que apontar as várias abordagens, Grant consegue integrar todos estes sistemas. Então mais do que as diferenças entre o método da OTO e a tradição hindu, aqui é apresentada uma lógica comum a ambas e com isso um novo diálogo é aberto. Kenneth Grant consegue realizar esta proeza em uma variedade de sub-tópicos diferentes, o que torna o livro especialmente valioso e interessante, a maior prova disso sendo a reação que causa nos diversos praticantes e pesquisadores do ocultismo e da arte mágica, enquanto alguns acusam o livro de se tratar de uma criativa reconstrução da história, outros afirmam que este é um dos melhores trabalhos de teorias ocultas e práticas mágicas da era moderna.