Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Loja
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Espíritos & Fantasmas Textos sobre Fantasmas Histórias de Fantasmas Brasileiros

Histórias de Fantasmas Brasileiros


por Ligia Cabús

No Brasil, país que tem o maior contingente do mundo de adeptos declarados da religião Espírita, o elenco de fantasmas da tradição popular são caracterizados pelas cores da História que permeiam a formação da cultura nacional. As assombrações são personagens que viveram episódios dramáticos e/ou traumáticos da colonização, dos tempos do Império e da República Velha, misturando elementos indígenas, lusos e africanos. Assim, há muitos fantasmas de escravos e sua contrapartida, de senhores [as] de engenho ou de cafezais que foram extremamente cruéis. São todos atormentados e tormentosos. Na história mais recente, fantasmas do século XX já assombram grandes metrópoles, como São Paulo que, assim como Londres e outras localidades do Reino Unido, tem até roteiro turístico de lugares assombrados bem como Recife, esta, uma cidade que conta com tradições fantasmagóricas mais antigas e bem documentadas.

A Procissão dos Mortos


Essa procissão assombrada é o tema de uma lenda contada em vários estados, especialmente no Nordeste e Centro-Oeste. O caso se passa nas cidades pequenas e vilas do interior onde é costume ir dormir cedo. Existem, porém, os insones, que altas horas da noite, se põem à janela observando o "nada acontece"  da rua. Nestas ocasiões sucede o episódio macabro: eis que lá vem uma procissão com toda a aparência de uma caminhada de penitentes usando túnicas escuras com capuz, segurando velas acesas, entoando ladainhas tristes. Em dado momento, um ou uma destas aparentemente piedosas criaturas, aproxima-se do [a] curioso [a] que está na janela e lhe oferece uma vela. O incauto aceita a oferta e lá fica, vendo passar o estranho cortejo. O sono vem, apaga a vela e vai dormir sem suspeitar de qualquer estranheza. No dia seguinte, ao despertar, vai constatar, com grande pavor, que a vela se transmutou em osso de gente e a procissão era um cortejo de mortos vagando no vilarejo, cumprindo a sina das almas penadas que, sem descanso, nada mais têm a fazer senão assombrar os viventes. [Conforme relatou Dona Antônia, a avó cearense desta jornalista].

A Missa dos Mortos de Ouro Preto - MG


O caso aconteceu entre o fim do século XVIII e começo do século XIX, na igreja de Nossa Senhora das Mercês que fica ao lado de um cemitério. Quem viu foi João Leite, zelador e sacristão que se preparava para dormir em sua casa, próxima ao templo, quando percebeu luzes na igreja e foi verificar o que acontecia. Deu com uma missa em andamento, repleta de fiéis vestidos em longas túnicas escuras e um estranho padre cuja nuca era pelada e branca. Eis que o padre voltou-se para a assembléia e pronunciou "Dominus Vobiscum". Foi aí que o sacristão viu-lhe a face cadavérica e bem reparando constatou que todos os presentes eram igualmente esqueletos. Tratou se escafeder-se sem chamar a atenção mas ainda a tempo de observar que a porta de acesso ao cemitério estava aberta. O episódio entrou para os anais das histórias de assombração da cidade de Ouro Preto.
 

O Fantasma de Teresa Bicuda & Outros Filhos que Maltratam os Pais [Jaraguá ─ Goiás]

Teresa Bicuda era uma moça de lábios grossos que lhe valeram o apelido. Morava em Jaraguá, no Larguinho de Santana. Pessoa de maus bofes, tratava a mãe de forma absolutamente cruel: botava a velha para mendigar nas ruas, batia nela, humilhava. Um dia, chegou ao extremo da maldade e, diz o povo, colocou um freio de cavalo na bocada genitora, montou, e nela andou montada à frente de todo o povo. Aquilo foi demais: a pobre mulher morreu mas, antes, excomungou a filha desnaturada. Teresa Bicuda, que já era psicopata, finalmente, ficou maluca de vez: deu de beber e vagava pelas ruas gritando todo tipo de sandices até que morreu e foi enterrada no cemitério. Perturbada em vida, virou fantasma atormentado e tormentoso na morte. Alma penada, seu espírito vagava pelas ruas e gritando do mesmo jeito, como no dia em que cavalgara a própria mãe; os lamentos da vítima também eram ouvidos. Desenterraram seu corpo e sepultaram atrás da Igreja do Rosário. De nada adiantou a providência: o fantasma continuava com seus escândalos. Mais uma vez, trocaram-na de cova, desta vez, foi para a cabeceira de um córrego onde puseram uma cruz e desde então o lugar ficou mal assombrado, o córrego da Teresa Bicuda.

Corpo-Seco [São Paulo]

O caso de Teresa Bicuda não é exclusivo de Goiás. Outros filhos que maltrataram seus pais e por isso se tornaram almas penadas são lembrados em vários estados e há indícios que crença vem de além mar, posto que existe tradição semelhante em Portugal. O "Corpo-Seco" é outra assombração desse gênero cuja lenda, relativamente recente, meados do século XX, é contada em São Paulo. "Nem a terra aceita receber essas pessoas". Este foi um homem chamado Zé Maximiano, morador do município de Monteiro Lobato, região da Serra da Mantiqueira, conhecido por bater no pai e na mãe.

Quando morreu, supostamente de "morte matada", foi enterrado em cemitério porém, rejeitado pela sepultura e assombrando lugares habitados, tal como Maria Bicuda, acharam por bem transferir o corpo para um lugar ermo e, por recomendação do próprio padre [apesar dos dogmas católicos], decidiram por uma gruta cuja entrada era delimitada por um córrego, medida de segurança porque esse tipo de fantasma não atravessa a água. Um amigo do defunto, que mesmo sendo "sangue ruim" ainda tinha um amigo, um tal de Pedro Vicente, encarregou-se de fazer o transporte. O corpo foi colocado em um balaio e, ainda por recomendação do padre, Pedro levou consigo uma vara de marmelo: o de cujus podia se rebelar e, nesse caso, o jeito era bater no morto com a vara. Dito e feito: o fantasma tentou agarrar o amigo a fim de matá-lo mas foi repelido com varadas.

Diz o povo que fantasmas como Corpo-Seco agem nas noites de sexta-feira à meia noite. Aparece na beira dos rios e açudes e se alguém aparece, pede para ser transportado para a outra margem. Em troca, promete revelar o esconderijo de um tesouro. Seja no barco ou nas costa do benfeitor, quando está no meio do curso d'água, a assombração começa a pesar e assim, afunda pequenas embarcações ou a pessoa que o carrega nas costas matando sua vítima por afogamento. Outros contam que ele fica nas estradas tocaiando os viandantes dos quais, ao modo dos vampiros, chupa o sangue para se manter na Terra evitando, deste modo, ser tragado para os quintos dos infernos.

Almas Sedutoras

Este tipo de assombração já virou lenda urbana e faz suas aparições em muitas metrópoles brasileiras: são damas de branco e as louras do táxi que têm rendido histórias desde o começo do século XX e se renovam, em versões contemporâneas que já viraram tema de reportagem em programa de televisão, como uma bem recente que apareceu no SBT e assombra taxistas em São Paulo. Neste caso, era uma jovem que tinha morrido no dia do seu aniversário e todos anos, neste mesmo dia, acena para um táxi, pede para dar voltas na cidade e, ao cair da noite, parando em frente a uma casa, alega não ter dinheiro para pagar a corrida e combina com o taxista saldar a dívida no dia seguinte. O motorista volta ao endereço e lá descobre que a bela passageira morreu há algum tempo. Minas Gerais também tem sua alma penada sedutora: é a  Loira do Bonfim de Belo Horizonte, datada entre 1940 e 1950:

"...uma mulher que aparecia por volta das duas horas da madrugada, sempre vestindo roupas brancas, insinuando-se junto aos boêmios que aguardavam condução no ponto de bonde existente diante de uma drogaria, no centro da cidade. Dizia que morava no Bonfim, que estava afim de um programa, e quando alguém se interessava, ela o levava para o cemitério do bairro, desaparecendo assim que chegavam àquele local. Como às vezes a criatura preferia chamar um táxi, os motoristas desses veículos de aluguel, além dos motorneiros e condutores dos bondes, passaram a não aceitar a escala de trabalho no horário noturno. Não era por medo, diziam eles, mas sim por precaução...

Existem, porém, algumas variações sobre essa história fantasmagórica: na primeira delas, a loira é apenas um vulto meio indefinido que aparece aos freqüentadores das regiões boêmias existentes nas imediações do bairro do Bonfim; uma segunda versão diz que ela, na verdade, não tem a intenção de seduzir qualquer homem, limitando-se a chamar um táxi e pedir ao seu motorista que a leve ao alto do Bonfim, onde desaparece dentro do cemitério tão logo o veículo pare diante de seu portão de entrada; a terceira diz que certa noite a loira procurou a delegacia policial existente no atual bairro da Lagoinha, vizinho ao do Bonfim, e pediu que um dos policiais a acompanhasse até sua casa, no que foi atendida: mas o detetive quase morreu de susto quando descobriu que o destino da moça era o cemitério. Seja como for, o fato é que, na época, os comentários sobre a misteriosa mulher apavoraram muitos moradores da capital mineira, que simplesmente deixaram de sair de casa após certa hora da noite" [DANNMANN].
 

O Fantasma de Ana Jansen [Maranhão]


Ana Joaquina Jansen Pereira [1787-1889], Donana Jansen, nasceu e morreu em São Luis do Maranhão. Duas vezes casada, duas vezes viúva, teve 12 filhos, nem todos fruto dos casamentos, mas das relações com amantes que escandalizavam a sociedade da época. Comerciante poderosa, foi uma pessoa influente, posição rara para as mulheres daquele tempo. Senhora de muitos escravos, tornou-se conhecida pela crueldade com que tratava os negros, submetendo-os às mais bárbaras torturas que, não raro, provocavam a morte de suas vítimas. Muitas das ossadas destes infelizes foram encontradas em um poço localizado nas terras da tirana.

Quando morreu, aos 82 anos, em seu casarão da Praia Grande, sua alma não encontrou descanso. Nas noites de sexta-feira, ela assombra as ruas da capital maranhense, à bordo de uma carruagem que passa em desabalada carreira puxada por uma parelha de cavalos brancos sem cabeça [algumas versões dizem: "com chamas no lugar das cabeças"], guiada pelo esqueleto espectral de um escravo também decapitado. É o coche "maldito", que sai do cemitério do Gavião em seu passeio macabro seguido pelo som dos lamentos dos escravos supliciados. O fantasma quer orações pela sua salvação e quem se recusa a atender o pedido, é visitado pelo fespectro de Donana: aparece ao leito do devedor antes que caia no sono e entrega-lhe uma vela que, no dia seguinte, terá se transformado em osso humano [olha a vela-osso de novo!].