Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Loja
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra Como se tornar um vampiro sem ser mordido

Como se tornar um vampiro sem ser mordido


resenha do Psychological Science

A vida é BelaCrentes fanáticos e pais super-protetores podem começar a roer as unhas. Um novo estudo publicado pela Universidade de Buffalo em Nova Yorque descobriu recentemente que de fato nos "tornamos" vampiros ou magos a medida que lemos um livro sobre o assunto. Após a leitura de livros como os da Saga Crepúsculo de fato podemos nos sentir com os dentes um pouco mais afiados, pois a pesquisa revelou que a leitura satisfaz diversas necessidades humana de conexão uma vez que não apenas nos sentimos próximos aos personagens, mas psicologicamente falando , nos tornamos parte de seu mundo e derivamos benefícios emocionais desta experiência.

A pesquisa "Becoming a Vampire Without Being Bitten: The Narrative Collective Assimilation Hypothesis," publicada no  Psychological Science, jornal acadêmico da universidade, atesta a hipótese de que ao absorver as narrativas não há diferença psicológica entre viver e se entregar a um livro, de modo que podemos nos tornar membros do grupo de personagens lá descritos.

Os autores Shira Gabriel, PhD e Ariana Young, são pesquisadores de psicologia social da Universidade de Buffalo e também descobriram que este senso de pertença que se desenvolve durante a leitura provoca o mesmo sentimento de satisfação e felicidade que alguém teria se de fato fizesse parte do mundo descrito.

"A conexão social é uma necessidade humana básica e sempre que nos sentimos conectados a outros nos sentimos bem em  geral e satisfeitos com nossas vidas. Nosso estudo demonstrou que a assimilação de uma narrativa permite que nos sintamos próximos a outros no conforto de nosso próprio espaço e segundo nossa própria conveniência.(...) Nossos dados mostram que isso gera um aumento da satisfação e do bom humor, que são duas das consequências diretas do sentimento de pertença.", revelou Gabriel ao Psychological Science.

Para testar a hipótese Gabriel e Young requisitaram que 140 formados da Universidade de Buffalo lessem por 30 minutos/dia dois livros bastante populares: "Crepúsculo" e "Harry Potter e a Pedra Filosofal." Depois os participantes responderam uma série de questionários que atestaram suas respostas conscientes e inconscientes as narrativas.

Os resultados foram claros, entrevistados que leram "Harry Potter" identificaram a si mesmos , tanto consciente como inconscientemente com magos ao passo que aqueles que leram "Crepúsculo" adquiriram a identificação psicológica dos vampiros.  Eles não apenas se sentiram conectados com os personagens, como era esperado, mas também adotaram padrões comportamentais, atitudes e traços de personalidade que consideraram realistas, deixando de lado a parte de sugar sangue e voar em vassouras.

O estudo sugere que os livros nos dão mais que uma oportunidade para submergir em um mundo de fantasia. Eles nos dão  também a chance de nos sentirmos pertencer a algo maior que nós e colher os frutos psicológicos de fazer parte de um reino amplo sem a necessidade de um encontro social de verdade.

É claro que quando entramos em uma narrativa, seja em um livro, filme ou série de TV, nós não nos tornamos Harry ou Bela, mas nos tornamos de fato parte de seus mundos. Isso nos faz sentir bem e pode de fato afetar nossa personalidade e comportamento. Já era um fato amplamente conhecido na psicologia que nós mudamos nosso comportamento quando estamos entre um grupo de amigos para nos tornar mais semelhantes a eles. Agora sabemos que isso também ocorre quando lemos um livro.