Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Loja
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra Curso de Hipnose A arte de aplicar o Mesmerismo

A arte de aplicar o Mesmerismo


Lição III, Curso de Hipnose

Tomemos em consideração o método dos antigos magnetizadores, como eles se apelidam, e demos a estas instruções uma forma pessoal, como se elas fossem de mim para você. Comece por escolher como paciente, para a experiência, alguém que seja mais moço do que você, com que não tenha convivido por muito tempo, para não ter muito familiaridade com você.

O operador que tem autoridade

A fim de obter algum resultado bom, cabe a você, em primeiro lugar, deparar alguém que se sinta intimidado por você, porque o ponto essencial para ser bem sucedido no mesmerismo está na qualidade de obediência apresentada pelo paciente. Se este não se sente bem fisicamente e considera o Mesmerismo como um meio possível de alívio à sua saúde, isto concorrerá para aumentar a sua probabilidade de bom êxito.

Método para aplicar o Mesmerismo

Faça sentar o paciente numa poltrona e se sente bem em sua frente; deixe que o nível dos olhos dele estejam um pouco acima dos seus; arrume uma maneira de que ele fique à vontade e, se for necessário, coloque algumas almofadas por detrás das suas costas de modo que sua cabeça descanse facilmente e sem nenhum esforço físico, seja qual for, na posição em que ele estiver sentado.

Pegue a mão direita dele na sua mão esquerda e a mão esquerda dele na sua mão direita. Incline-se para frente de forma que sua cabeça chegue cerca de trinta centímetros da dele. Peça que olhe fixamente em seus olhos. Faça-o notar bem que não pode desviar o olhar. Não deve pestanejar, a não ser que se sinta obrigado à faze-lo. Fale da seguinte maneira: “A sua primeira sensação será um formigamento nas suas mãos e que se este nderá para seus braços, daí aos ombros e, enfim, um entorpecimento que se insinuará, pouco a pouco, por todo o seu corpo. Não sente nenhum mal estar e afaste de você toda disposição que te leve a querer saber toda e qualquer coisa que se apresentar. Nenhum prejuízo lhe causará e poderá depositar em mim toda a sua confiança. Quando não puder manter os seus olhos abertos e fixos nos meus, feche-os e eles não se abrirão mais. Passará, então, para um sono profundo, o seu corpo ficará inteiramente quente e sentirá uma corrente natural que lhe parecerá elétrica. Quando os seus olhos estiverem fechados, empregarei sobre você passes, cujo efeito será duplicar a influência magnética e distribuí-la igualmente por todo o seu corpo”. Como tem as mãos dele nas suas apertai ligeiramente os polegares, diminuindo ou aumentando alternativamente a pressão e pondo os seus polegares entre a segunda e terceira juntura das suas mãos. Esta pressão exercerá uma influência especial sobre ele e atrairá grandemente a sua atenção para a obra em mão. Quando ele já não puder conservar os olhos abertos, solte uma das mãos e feche os olhos, dizendo: “R epouse e dormi”. Pode, então, proceder ao emprego dos passes.

Emprego dos passes longos

Ao se levantar, erga ambas as suas mãos acima da cabeça e, tendo a extremidade de seus dedos a cerca de cinco centímetros do seu rosto, faça descer ao longo de seu corpo, levando-as a fazer uma longa curva que terminará nos joelhos. Lance, então, as suas mãos de cada um dos seus lados, com as palmas para o ar e deixai-as reunir-se ainda acima de sua cabeça; deixai-as tornar a cair seguindo outra curva, lentamente executada desde a cabeça até os joelhos. Repita o mesmo processo durante cerca de dez minutos e, ao fim deste tempo, se tocais um dos seus braços, ele permanecerá provavelmente na posição em que o colocardes. No caso em que ele recaia a seus la-dos, repita esses passes longos e lentos durante ainda cinco minutos e, decorrido esse tempo, ele estará, sem dúvida, no estado conhecido como “relação”, isto é, estará mais ou menos debaixo da influência magnética. Não tente levantar de novo a sua mão, porque pode acontecer que ele seja da espécie dos pacientes letárgicos que nunca se tornam caa-dos, repita esses passes longos e lentos durante ainda cinco minutos e, decorrido esse tempo, ele estará, sem dúvida, no estado conhecido como “relação”, isto é, estará mais ou menos debaixo da influência magnética. Não tente levantar de novo a sua mão, porque pode acontecer que ele seja da espécie dos pacientes letárgicos que nunca se tornam catalépticos. Como a significação destes termos será dada mais tarde, sendo plenamente explicados, não é necessário insistir nisso demasiadamente. Diga-lhe tranqüilamente: “Está prestes a passar para debaixo da condição magnética e, ainda que poça ter consc iência do lugar onde está, não poderá abrir os olhos”. Espere um pouco e diga, então: “Não pode abrir os olhos, ainda que tente abri-los”. Pare ainda e diga: “Procura abri-los, não se abrirão”. Se ver que ele se esforça inutilmente para abrir os olhos, pode concluir daí que o seu paciente está na mesma condição mental que aquela em que se achava o paciente do Dr. Liébeault, mencionado na lição anterior.

Como conhecer o sono Magnético

Mas, no caso em que nota que ele não faz nenhum movimento e em que parece não prestar nenhuma atenção à exortação que lhe fez de levantar as pálpebras, pode estar perfeitamente certo de que provocou nele um estado de sono magnético mais profundo, estado que é preferível não perturbar, diga-lhe, neste sentido: “Dormi profundamente e sonha que está prestes a viajar a milhares de qu ilômetros daqui, visitando lugares que nunca visitou. Deixa que seu espírito vá onde quiser e quando acordar, dentro de uma hora, vai me dizer o que viu e onde esteve, cada coisa ter-vos-á claramente penetrado no espírito, ao acordar. Dormi durante uma hora e, nesse tempo, acorde por sua própria conta”. Deixamos, também, neste ponto, o doente.