Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Loja
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Sociedades Secretas & Conspirações Textos Conspiracionais Minha Luta Começo de minha atividade política

Começo de minha atividade política


Mein Kampf

Em fins de novembro de 1918 voltei para Munique. De novo entrei no batalhão de reserva do meu regimento, o qual se achava então nas mãos dos "conselhos de soldados". Senti-me tão enojado que resolvi abandonar o batalhão, logo que me fosse possível. Juntamente com o meu fiel camarada de guerra, Schmidt Ernest, dirigi-me para Traunstein e ali permaneci até a dissolução do acampamento.

Em março de 1919, voltamos de novo para Munique.

A situação era insustentável. A continuação da revolução se tornara fatal. A morte de Eisner tinha tido apenas o efeito de apressar os acontecimentos, provocando a ditadura dos Conselhos, ou, melhor, um domínio temporário dos judeus, objetivo que tinham em vista aqueles que provocaram a revolução.

Por essa época, passavam pela minha cabeça planos e mais planos. Dias a fio eu meditava sobre o que se poderia fazer, mas chegava sempre à conclusão de que, devido ao fato de ser eu um desconhecido, não possuía os requisitos indispensáveis para garantia do êxito de qualquer atuação. Mais adiante voltarei a falar sobre os motivos que me induziram a não me filiar a nenhum dos partidos então existentes.

Durante a nova revolução dos Conselhos, assumi, pela primeira vez, uma atitude que me custou a má vontade do Conselho Central. Em 27 de abril de 1919, pela manhã cedo, eu devia ser preso. Entretanto, diante de um fuzil com que eu os ameacei, os três rapazolas incumbidos de me prender, perderam a coragem e desistiram da idéia.

Alguns dias depois da libertação de Munique, fui intimado a comparecer diante da comissão de sindicâncias, a fim de prestar esclarecimentos sobre os acontecimentos relativos à revolução no 2o. regimento de infantaria.

Foi essa a minha primeira incursão no campo da atividade puramente política.

Algumas semanas mais tarde, recebi ordem de tomar parte num "curso" destinado aos membros da milícia de defesa. Esse curso visava dar aos soldados certas bases de orientação cívica. Para mim a vantagem da iniciativa consistia no fato de eu poder travar conhecimento com alguns camaradas que pensavam da mesma maneira que eu, e com os quais eu podia discutir detalhadamente a situação do momento. Estávamos todos mais ou menos convencidos de que a Alemanha não se poderia salvar do colapso cada vez mais próximo, por intermédio dos partidos do centro e da social-democracia. que tinham sido causadores do crime de novembro. Além disso, sabíamos que os chamados partidos dos "burgueses nacionais" não poderiam, mesmo com a melhor boa vontade do mundo, conseguir reparar o mal já feito. Faltava uma série de condições essenciais, sem as quais o êxito não seria possível. O decorrer do tempo provou a justeza das nossas previsões. Com essas idéias, discutimos, no pequeno círculo de camaradas, a formação de um novo partido.

As idéias fundamentais que então possuíamos eram as mesmas que mais tarde foram realizadas no "Partido Trabalhista Alemão". O nome do movimento a ser inaugurado tinha de, desde o princípio, oferecer a possibilidade de uma aproximação com a grande massa. Sem essa condição, todo trabalho parecia inócuo e sem finalidade. Assim, ocorreu-nos o nome "Partido Social Revolucionário", e isso porque os pontos de vista sociais do novo partido significavam na realidade uma revolução.

A razão mais profunda, entretanto, estava no seguinte:

Conquanto eu me tivesse ocupado outrora do exame dos problemas econômicos, nunca tinha ultrapassado os limites de certas considerações despertadas pelo estudo das questões sociais.

Somente mais tarde alargaram-se os meus horizontes com o exame da política de aliança da Alemanha. Essa política, em grande parte, era o resultado de uma falsa avaliação do problema econômico, bem como da falta de clareza quanto às possíveis bases de subsistência do povo alemão no futuro. Todas essas idéias, porém, eram baseadas ainda na opinião de que, em todo o caso, o capital era somente o produto do trabalho e, portanto, como este mesmo sujeito à correção de todos aqueles fatores que desenvolvem ou restringem a atividade humana. Ai então estaria a significação nacional do capital. Ele dependia de uma maneira tão imperiosa da grandeza, liberdade e poder do Estado, portanto da Nação, que a reunião dos dois por si mesma estava destinada a guiar o Estado e a Nação, impulsionados ambos pelo capital, pelo simples instinto de conservação e de multiplicação. Essa dependência do capital em relação ao Estado livre forçava aquele a, por seu lado, intervir pela liberdade, pelo poder, e grandeza da Nação.

O problema do Estado em relação ao capital tornava-se assim simples e claro. Ele só teria de fazer com que o capital se mantivesse a serviço do Estado e evitar que esse se convencesse de que era o dono da nação. Essa atitude podia-se manter em dois limites: conservação de uma economia viva nacional e independente, de um lado, garantia de direitos sociais dos empregados, de outro lado.

Anteriormente eu não tinha conseguido ainda distinguir, com a clareza que seria de desejar, a diferença entre o capital considerado como resultado final do trabalho produtivo, e o capital cuja existência repousa exclusivamente na especulação.

Esta diferença foi exaustivamente tratada e esclarecida por Gottfied Feder, professor em um dos cursos já por mim citados.

Pela primeira vez na minha vida, assisti a uma exposição de princípios relativa ao capital internacional, no que diz respeito a movimentos de bolsa e empréstimos.

Depois do ter ouvido a primeira preleção de Feder, passou-me imediatamente pela cabeça a idéia de ter então encontrado uma das condições básicas para a fundação de um novo partido.

Aos meus olhos o mérito de Feder consistia em ter pintado, com as cores mais fortes, o caráter especulativo, assim como econômico, do capital internacional e ter mostrado a sua eterna preocupação de juros.

As suas exposições eram tão certas em todas as questões fundamentais, que os críticos das mesmas desde logo combatiam menos a veracidade teórica da idéia do que a possibilidade prática de sua execução. Assim, aquilo que aos olhos de outros era considerado o lado fraco das idéias de Feder, constituía aos meus o seu ponto mais forte.

A missão de um doutrinador não é a de estabelecer vários graus de exequibilidade de uma determinada causa, e sim a de esclarecer o fato em si. Isso quer dizer, que o mesmo deve se preocupar menos com o caminho a seguir do que com o fim a atingir. Aqui, o que decide é a veracidade, em princípio, de uma idéia, e não a dificuldade de sua execução. Assim que o doutrinador procura, em lugar da verdade absoluta, levar em consideração as chamadas "oportunidade" e "realidade", deixará ele de ser uma estréia polar da humanidade para se transformar em um receitador quotidiano. O doutrinador de um movimento deve estabelecer a finalidade do mesmo; o político deve procurar realizá-lo. Um, portanto, dirige seu modo de pensar pela eterna verdade, o outro é dirigido na sua ação pela realidade prática. A grandeza de um reside na verdade absoluta e abstrata de sua idéia, a do outro no ponto de vista certo em que se coloca com relação aos fatos e ao aproveitamento útil dos mesmos, sendo que a este deve servir de guia o objetivo do doutrinador. Enquanto o sucesso dos planos e da ação de um político, isto é, a realização dessas ações, pode ser considerada como pedra-de-toque da importância desse político, nunca se poderá realizar a última intenção do doutrinador, pois ao pensamento humano é dado compreender as verdades, armar ideais claros como cristal, porém a realização dos mesmos tem de se esboroar diante da imperfeição e insuficiência humanas. Quanto mais abstratamente certa, e, portanto, mais formidável for uma idéia, tanto mais impossível se torna a sua realização, uma vez que ela depende de criaturas humanas É por isso que não se deve medir a importância dos doutrinadores pela realização de seus fins, e sim pela verdade dos mesmos e pela influência que eles tiveram no desenvolvimento da humanidade. Se assim não fosse, os fundadores de religiões não poderiam ser considerados entre os maiores homens desse mundo, porquanto a realização de suas intenções éticas nunca será, nem aproximadamente, integral. Mesmo a religião do amor, na sua ação, não é mais do que um reflexo fraco da vontade de seu sublime fundador; a sua importância entretanto reside nas diretrizes que ela procurou imprimir ao desenvolvimento geral da cultura e da moralidade entre os homens.

A grande diversidade entre os problemas do doutrinador e os do político é um dos motivos por que quase nunca se encontra uma união entre os dois, em uma mesma pessoa. Isto se aplica sobretudo ao chamado político de "sucesso", de pequeno porte, cuja atividade de fato nada mais é do que a "arte do possível", como modestamente Bismarck cognominava a política. Quanto mais livre tal político se mantém de grandes idéias tanto mais fáceis, comuns e também visíveis, sempre entretanto mais rápidos, serão os seus sucessos. É verdade também que esses estão destinados ao esquecimento dos homens e, às vezes, não chegam a sobreviver à morte de seus criadores. A obra de tais políticos é, de modo geral sem valor para a posteridade, pois o seu sucesso no presente repousa no afastamento de todos os problemas e Idéias grandiosos que como tais teriam sido de grande importância para as gerações futuras.

A realização de idéias destinadas a ter influência sobre o futuro é pouco lucrativa e só muito raramente é compreendida pela grande massa, à qual Interessam mais reduções de preço de cerveja e de leite do que grandes planos de futuro, de realização tardia e cujo benefício, finalmente, só será usufruído pela posteridade.

É assim que, por uma certa vaidade, vaidade esta sempre inerente à política, a maioria dos políticos se afasta de todos os projetos realmente difíceis, para não perder a simpatia da grande massa. O sucesso e a importância de tal político residem exclusivamente no presente, e não existem para a posteridade. Esses microcéfalos pouco se Incomodam com isso: eles se contentam com pouco.

Outras são as condições do doutrinador. A sua importância quase sempre está no futuro, por Isso não é raro ser ele considerado lunático. Se a arte do político é considerada a arte do possível, pode-se dizer do idealista que ele pertence àqueles que só agradam aos deuses, quando exigem e querem o impossível. Ele terá de quase sempre renunciar ao reconhecimento do presente; colhe, entretanto, caso suas idéias sejam imortais, a glória da posteridade.

Em períodos raros da história da humanidade pode acontecer que o política e o idealista se reunam na mesma pessoa. Quanto mais intima for essa união, tanto maior serão as resistências opostas à ação do político. Ele não trabalha mais para as necessidades ao alcance do primeiro burguês, e sim por ideais que só poucos compreendem. É por isso que sua vida é alvo do amor e do ódio. O protesto do presente, que não compreende o homem, luta com o reconhecimento da posteridade pela qual ele trabalha.

Quanto maiores forem as obras de um homem pelo futuro, tanto menos serão elas compreendidas pelo presente; tanto mais pesada é a luta tanto mais raro é o sucesso. Se em séculos esse sorri a um, é possível que em seus últimos dias o circunde um leve halo da glória vindoura. É verdade que esses grandes homens são os corredores de Maratona da História. A coroa de louros do presente toca mais comumente às têmporas do herói moribundo.

Entre eles se contam os grandes lutadores que, incompreendidos pelo presente, estão decididos a lutar por suas idéias e seus ideais. São eles que, mais tarde, mais de perto, tocarão o coração do povo. Parece até que cada um sente o dever de no passado redimir o pecado cometido pelo presente. Sua vida e sua ação são acompanhadas de perto com admiração comovidamente grata, e conseguem, sobretudo nos dias de tristeza, levantar corações quebrados e almas desesperadas. Pertencem a essa classe não só os grandes estadistas, como também todos os grandes reformadores. Ao lado de Frederico o Grande, figura aqui Martinho Lutero, bem como Ricardo Wagner.

Quando assisti a primeira conferência de Gottfried Feder sobre a "abolição da escravidão do juro", percebi imediatamente que se tratava aqui de uma verdadeira teoria destinada a imensa repercussão no futuro do povo alemão. A separação acentuada entre o capital das bolsas e a economia nacional, oferecia a possibilidade de se enfrentar a internacionalização da economia alemã, sem ameaçar o princípio da conservação da existência nacional independente, na luta contra o capital. Eu via com- bastante clareza o desenvolvimento da Alemanha, para não perceber que a maior luta não seria contra os povos inimigos e sim contra o capital internacional. Senti na conferência de Feder o formidável grito de guerra para a próxima luta.

Os fatos, mais tarde, vieram demonstrar quão certo era o nosso pressentimento de então. Hoje em dia não somos mais ridicularizados pelos idiotas da nossa política burguesa; hoje em dia, mesmo esses, desde que não sejam mentirosos conscientes, reconhecem que o capital internacional não foi só o maior Instigador da guerra, como, mesmo após o término da luta, continua a transformar a paz num inferno.

O combate contra a alta finança internacional se tornou um dos pontos capitais do programa na luta da nação alemã pela sua independência econômica e pela sua liberdade.

Quanto às restrições feitas pelos chamados homens práticos, pode-se-lhes responder da seguinte maneira: todos os receios relativos às terríveis conseqüências econômicas provenientes da realização da abolição da "escravidão do juro" são supérfluas. Antes de tudo, as receitas econômicas até então usadas deram muito maus resultados ao povo alemão. As atitudes com relação a uma afirmação nacional lembram-nos vivamente o parecer de peritos semelhantes de outros tempos: por exemplo, da junta médica bávara, com relação à questão da introdução da estrada de ferro. Todos os receios dessa sábia corporação não se realizaram; os viajantes dos trens, do novo cavalo a vapor, não ficavam tontos, os espectadores também não ficavam doentes e desistiu-se dos tapumes de madeira destinados a tomar essa nova organização invisível. Só se conservaram, para a posteridade, as paredes de madeira nas cabeças de todos os chamados peritos.

Em segundo lugar, deve-se tomar nota do seguinte: toda idéia, por melhor que ela seja, torna-se perigosa quando ela imagina ser um desideratum, quando na realidade não é mais do que um meio para um fim. Para mim, porém, e para todos os verdadeiros nacionais socialistas, só há uma doutrina: Povo e Pátria.

O objetivo da nossa luta deve ser o da garantia da existência e da multiplicação de nossa raça e do nosso povo, da subsistência de seus filhos e da pureza do sangue, da liberdade e independência da Pátria, a fim de que o povo germânico possa amadurecer para realizar a missão que o criador do universo a ele destinou.

Todo pensamento e toda idéia, todo ensinamento e toda sabedoria, devem servir a esse fim. Tudo deve ser examinado sob esse ponto de vista e utilizado ou rejeitado segundo a conveniência. Assim é que não há teoria que se possa impor como doutrina de destruição, pois tudo tem de servir à vida.

Foi assim que os dogmas de Gottfried Feder me incitaram a me ocupar de uma maneira decidida com esses assuntos que eu pouco conhecia.

Comecei a aprender e compreender, só agora, o sentido e a finalidade da obra do judeu Karl Marx. só agora compreendi bem seu livro - "O Capital" - assim como a luta da social-democracia contra a economia nacional, luta essa que tem em mira preparar o terreno para o domínio da verdadeira alta finança internacional.

Também em outro sentido foram esses cursos de grandes conseqüências para mim. Certo dia pedi a palavra. Um dos presentes achou que devia quebrar lanças pelos judeus e começou a defendê-los em longas considerações. Essa atitude provocou de minha parte uma réplica. A grande maioria dos presentes ao curso colocou-se do meu lado. O resultado, porém, foi que poucos dias depois determinaram a minha inclusão num regimento de Munique como "oficial de cultura intelectual".

Naquela época a disciplina da tropa era bem fraca, ela sofria as conseqüências do período dos "Conselhos de Soldados". Só aos poucos e com muita- cautela poder-se-ia ir restabelecendo a disciplina militar e a subordinação, em lugar da obediência "voluntária" - como se costumava designar o chiqueiro sob o regime de Kurt Eisner. A tropa tinha de aprender a sentir e a pensar de maneira nacional e patriótica. A minha atividade dirigia-se nesses dois sentidos.

Comecei o trabalho com todo entusiasmo e amor. Tinha de repente a oportunidade de falar diante de um auditório maior, e aquilo que já antigamente, sem saber, eu aceitava por puro sentimento, realizou-se: eu sabia "falar". Também a voz tinha melhorado bastante, a ponto de me fazer ouvir suficientemente em todos os pontos do pequeno compartimento dos soldados.

Não havia missão que me fizesse mais feliz do que essa, pois agora, antes de minha saída, poderia prestar serviços úteis à instituição que tão de perto me tocava o coração: ao exército.

Posso dizer que a minha atuação foi coroada de êxito: centenas, talvez milhares de camaradas foram por mim reconduzidos, no decorrer das minhas lições, ao seu povo e à sua Pátria. Eu "nacionalizava" a tropa e podia, por esse meio, auxiliar a fortalecer a disciplina geral.

Ainda uma vez tive oportunidade de conhecer uma série de camaradas, que pensavam como eu, e que mais tarde começaram a edificar a base do novo movimento.